Chamada para o Dossiê “Ensino de História e a História das Infâncias: protagonismo, pluralidades e sociodiversidades".

Chamada para o Dossiê “Ensino de História e a História das Infâncias: protagonismo, pluralidades e sociodiversidades".

Organizadores:
Jacqueline Tatiane da Silva Guimarães - Universidade Federal do Pará - UFPA
Humberto da Silva Miranda - Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE
David Junior de Souza Silva - Universidade Federal do Amapá - UNIFAP

O Dossiê Ensino de História e a História das Infâncias: protagonismo, pluralidades e sociodiversidades objetiva reunir artigos que contemplem reflexões e problematizações sobre a relação entre a produção do saber histórico, as histórias das infâncias e os direitos das crianças e adolescentes a partir de uma perspectiva interdisciplinar que contemple as diferentes áreas do conhecimento e que também tomem em seu processo de formação as pesquisas historiográficas para pensar e abordar sobre crianças e infâncias e os seus direitos.
Compreendendo que historicamente as crianças e as infâncias sempre estiveram envoltas pelos discursos dos adultos, não sendo meramente, qualquer adulto, mas por aqueles que representavam e detinham poder e o saber hegemônico e tido como oficial, estabelecendo e consolidando uma sociedade adultocêntrica que criou idealizações e uniformizou o que seria a infância e criando assim modelos e estereótipos, resultando numa historiografia da infância delineada a partir das vozes de “adultos direitos” longamente registados em documentos de nossas instituições.
Ou seja, verifica-se a presença e ausência das crianças, fazendo com que esse sujeito tenha uma presença ausente, passiva e submissa, fazendo delas um não sujeito da história.
O adultocentrismo se constitui em uma violência estrutural, representando, sobretudo, uma violência epistêmica que gera a homogeneização/universalização da infância e sua subalternização, ignorando, assim, os seus territórios, as diferentes espacialidades, temporalidades e culturas. Ressalta-se o interesse de divulgar investigações que focalizem no protagonismo das crianças e dos adolescentes na produção das pesquisas, bem como questionem essa estrutura.
Ao questionar a perspectiva adultocêntrica nas investigações realizadas com/para/sobre crianças e adolescentes, este Dossiê buscará divulgar e fomentar a cidadania infanto-adolescente na produção acadêmica, valorizando os diferentes protagonismos das infâncias na História e no Ensino de História. Seguindo esta perspectiva, visa-se dar centralidade às crianças como sujeitos de história contra o adultocentrismo e a violência epistêmica, ou seja, as infâncias no protagonismo do fazer história enquanto sujeitos de direitos e protagonistas.
A partir do respeito à sociodiversidade e pluralidade, privilegiar-se-á o resultado de pesquisas que abordem sobre as diferentes infâncias, vividas nas variadas especialidades e temporalidades, atentando-se às histórias e aos direitos das crianças ribeirinhas, quilombolas, negras, indígenas e das periferias.

Recebimento de Artigos até: 30/09/2024
Fronteiras & Debates aceita apenas artigos de mestres/as, doutorandos/as e doutores/as.