Para descolonizar o estudo historiográfico das relações de poder

Samuel Correa Duarte

Resumo


O presente texto consiste em reflexão teórica sobre o estudo da história das relações de poder, tendo como referência o contexto da colonização. Para isso, iremos mobilizar as ferramentas de análise propostas no escopo das chamadas teorias decoloniais. As condições de revisão da herança colonial e desconstrução dos dispositivos coloniais na pós-modernidade fazem parte de um mesmo movimento. O itinerário das reflexões aqui elaboradas se inicia pela análise dos elementos que embasam o programa de pesquisa decolonial. A seguir, buscamos divisar aspectos metodológicos na área dos estudos historiográficos que permitam revisar a colonialidade, em particular com o recurso à memória coletiva, como peça de enfrentamento ao discurso oficial. Por fim, abrimos diálogo com interpretações críticas da formação histórica brasileira que permitam colocar em questão a empresa colonial. O recurso à memória, como base informacional e recorte epistemológico, visa trazer à tona as representações que orientam os sujeitos no cotidiano, o que consiste em importante caminho aberto para a reflexão historiográfica e revisão das estruturas coloniais que ainda grassam no contexto social brasileiro.


Palavras-chave


colonialidade; decolonialidade; historiografia; memória

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2022 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.