Liberdade e escravidão: reflexões sobre o filme Queimada (Burn!) e a Revolução haitiana

Silvia Katherine Pacheco Teixeira

Resumo


Entre tantas personagens no filme Queimada, dois homens em contextos distintos representam os papéis de senhor e escravo. Nesse contexto, temos Willian Walker que representa o colonizador, funcionário de uma companhia marítima inglesa. Ele chega à ilha de Queimada nas Antilhas com a missão de iniciar uma revolta contra o domínio português. O segundo personagem é José Dolores, um escravo que vai atuar com Walker, na maior parte do filme. Dolores representa o colonizado que, sem muitas escolhas, fará tudo que o colonizador mandar, até o momento em que se rebela e cria a resistência ao imperialismo inglês na ilha. Essas duas personagens nos mostram que ser escravo ou ser senhor não é uma condição natural, mas é, sobretudo, uma condição configurada e reconfigurada de acordo com contextos sociais, políticos, econômicos e culturais específicos.


Palavras-chave


Artigo

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2022 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.