Indígenas e novas tecnologias: o uso de dispositivos de telefonia móvel na organização e mobilização guarani no sul do Brasil

Adriane Cristina Benedetti

Resumo


A difusão de novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) alterou as possibilidades de interação social entre os indivíduos. Os efeitos de inovações tecnológicas, como a internet e as redes sociais, sobre a mobilização e a organização social tem despertado o interesse crescente de pesquisadores, a exemplo das repercussões no ativismo político. Levando em consideração tais fatos, o artigo busca desenvolver um aspecto ainda pouco abordado pela literatura, que diz respeito à difusão das TICs sobre populações do meio rural, em especial os povos indígenas. No senso comum, o uso de tais dispositivos por indígenas tem sido problematizado, como signo de aculturação ou de assimilação, o que age na desqualificação dos direitos específicos destas coletividades em contexto de disputa territorial. O artigo tem por objetivo analisar como a apropriação de dispositivos de telefonia móvel repercute na organização e na mobilização política de grupos indígenas guarani, a partir de referenciais da literatura sobre TICs e processos organizativos. Para dar conta deste objetivo, são utilizados dados empíricos obtidos ao longo da atuação na extensão rural no estado do Rio Grande do Sul, Brasil, entre os anos de 2001 e 2016, em contato direto com comunidades indígenas. Ao longo dessa atuação, percebeu-se que o uso de dispositivos de telefonia móvel potencializa o fluxo de informações e a comunicação entre os indígenas, agindo na constituição de redes interculturais.  


Palavras-chave


povos indígenas; tecnologias; mobilização.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2021 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.