De “curiosa” à “parteira de verdade”: compreensão, assimilação e desenvolvimento do partejar tradicional

Raysa Nascimento

Resumo


Esse artigo trata sobre o aprendizado do partejar tradicional por Parteiras Tradicionais do Município de Santana, no Estado do Amapá. O objetivo édescrever como ocorre o processo de aprendizagem das técnicas utilizadas nos atendimentos prestados por parteiras tradicionais de Santana às mulheres gestantes. A pesquisa ocorreu no período de 2016 a 2018, sendo que a primeira fase tratou do levantamento bibliográfico acerca da temática e das teorias antropológicas que serviram de base para o estudo e a etapa subsequente consistiu no trabalho de campo de caráter etnográfico. Por meio da observação participante acompanhei seus atendimentos e dediquei atenção às falas e comportamentos das minhas interlocutoras, observando atentamente seu cotidiano e tomando nota sobre suas memórias e técnicas do partejar. Demonstro que o processo de compreensão, assimilação e desenvolvimento dos conhecimentos tradicionais do partejar podem ser pensados por meio da educação da atenção proposta por Ingold.


Palavras-chave


Parteiras tradicionais; Partejar; Curiosidade; Necessidade.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.