A concentração socioeconômica e os ciclos de exploração dos recursos naturais no Estado do Amapá

Alexandre Luiz Rauber, Manuel Eduardo Ferreira

Resumo


Esta artigo se dedica ao estudo sobre o comportamento socioeconômico do estado do Amapá, a partir de indicadores como índice de Desenvolvimento Humano, (IDH), Produto Interno Bruto (PIB), dados demográficos, transferências comercial e balança comercial, entre outros, elementos estes que articulam na caracterização da exploração econômica pautada pela exploração de recursos naturais e a concentração populacional e econômica no eixo Macapá/Santana. Os procedimentos metodológicos foram desenvolvidos a partir seleção e formatação de dados quantitativos e qualitativos há nível estadual e municipal disponíveis para a série histórica 1991 e 2017, acessados no IBGE, Atlas do Desenvolvimento Humano do Brasil, Secretaria de estado da Fazenda do Amapá, Tesouro Nacional do Brasil, Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior e Serviços do Brasil, RAIS/CAGED, entre outros. Verificou-se que no período analisado uma distrofia demográfica e econômica, quando analisados os dados socioeconômicos –, consequentemente alimenta as desigualdades regionais. A região metropolitana de Macapá/Santana, aglutinam aproximadamente 80% do contingente populacional e econômico, essa concentração consiste em apenas um dos fenômenos que potencializam e realçam as desigualdades entre centro-periferia, consolidando-se como uma das características marcantes do desenvolvimento do Amapá.

Palavras-chave


Ciclos econômicos; Recursos Naturais; Estado do Amapá

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2021 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.