A inserção da educação ambiental crítica no currículo escolar: um estudo de caso da política curricular do Estado de São Paulo

Daniele Cristina de Souza, Regina Helena Munhoz

Resumo


Uma das formas mais disseminadas para a inserção da Educação Ambiental (EA) na escola é pela transversalidade curricular, conforme proposto na década de 1990 pelos Parâmetros Curriculares Nacionais. Todavia, para além do discurso oficial, é importante identificar e compreender o que significa a inserção da educação ambiental via currículo, quais conteúdos e concepções sustentam as políticas e se estas contribuem para o desenvolvimento da Educação Ambiental Crítica. Neste sentido, o objetivo do trabalho é realizar uma discussão a partir de teorias de currículo e estabelecer um diálogo em direção a inserção da Educação Ambiental Crítica na escola. No âmbito da dimensão empírica será feito um estudo de caso da política curricular do estado de São Paulo considerando o documento oficial do currículo do ano de 2010.  Sendo realizada especificamente uma análise do currículo do estado de São Paulo e suas relações com a EA, focando na compreensão de seu formato, seus códigos de seleção e organização curricular, assim como caracterizaremos o cenário político de sua implantação nas escolas públicas estaduais. A análise do documento que traz a política curricular para o Ensino Fundamental II e o Ensino Médio indicou imprecisões sobre os seus fundamentos teóricos. Enquanto fundamento teórico-pedagógicoidentificamos uma predominância da pedagogia relativista, de cunho construtivista. Por fim, pontuamos as contradições identificadas ao que se almeja para a construção da Educação Ambiental Crítica na escola.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2018v11n2.p31-52

Direitos autorais 2019 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.