Educação escolar indígena Mehî (Krahô). Das possibilidades da Caxekwýj e outras histórias na escola

Letícia Jokakwyj

Resumo


Este texto busca problematizar práticas pedagógicas coloniais ainda presentes na escola Krahô. Mais especificamente se pensa sobre a importância das histórias dos antigos para a formação das crianças e jovens mehi (indígena). Simultaneamente, questiona-se a disciplina história, presente na grade curricular das escolas Krahô. Em primeiro lugar, do ponto de vista de seu conteúdo, a história é contada quase sempre a partir da narrativa não indígena. Em segundo lugar, a narrativa se adapta por sua forma a um modelo disciplinar de educação, ou seja, de uma maneira que fragmenta o conhecimento e o elabora a partir de uma episteme ocidental.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2018v11n1.p67-75

Direitos autorais 2018 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.