O direito à morte: uma análise foucaultiana sobre o surgimento de Ribeirão das Neves a partir da nova capital mineira

Fábio Júnio Mesquita

Resumo


O presente artigo objetivou verificar o surgimento do município de Ribeirão das Neves, na década de 50, a partir da concepção da cidade de Belo Horizonte, correlacionando a construção da mesma com o Biopoder proposto por Michel Foucault. Partindo da pesquisa bibliográfica em livros, documentos e páginas da internet, a pesquisa foi construída em seis etapas, além da introdução, a saber: a primeira introduz o leitor ao biopoder foucaultiano, com a finalidade de lançar luz sobre o conteúdo e apontar os rumos do estudo; A segunda, trata do sistema de seleção dos corpos que devem viver e daqueles que devem morrer; Enquanto a terceira, trata das análise que Foucault faz sobre três cidades, na obra “Em Defesa da Sociedade”; A quarta etapa deste trabalho, da conta da Capital mineira, um breve histórico de seu surgimento; Na penúltima etapa, encontra-se uma analise sobre as consequências para a cidade de Ribeirão das Neves, através do biopoder, presente nos interesses da administração do Estado, acerca da construção da nova capital. Por fim, nas considerações finais, concluiu-se que é uma hipótese plausível, embora a afirmação categórica dependa de pesquisa mais detalhada, que aponte as relações entre políticos da época e interesses de grupos específicos em Ribeirão das Neves e Belo Horizonte. No entanto, não restam dúvidas do quanto a Capital mineira se estabeleceu a partir do biopoder.

Palavras-chave


Biopoder; Racismo; Belo Horizonte; Ribeirão das Neves.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2019v12n1.p93-107

Direitos autorais 2019 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.