USOS SOCIAIS DO PATRIMÔNIO CULTURAL (NATURAL) E PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA EM ÁREAS PROTEGIDAS

Filipe Vieira de Oliveira

Resumo


Apresentamos neste ensaio teórico uma reflexão acerca das perspectivas de usos sociais do patrimônio cultural (natural) em áreas protegidas no Brasil e os desafios inerentes da participação democrática na tomada de decisões em espaços protegidos, neste caso, especificamente nas Unidades de Conservação de Proteção Integral em que existam populações residentes. O texto apresenta algumas considerações sobre a noção bastante ambígua no entendimento de patrimônio cultural e natural. Refletimos também, sobre o que seriam usos sociais mais adequados à salvaguarda do patrimônio cultural e natural em áreas protegidas que considerem a relação homem natureza. Verificamos, portanto, que a não participação na instituição de patrimônios não corroboram para a efetividade da proteção nem das possibilidades de sobrevivência das comunidades que habitam estes espaços. É preciso pensar políticas que considerem estes conflitos entre o preservacionismo e as necessidades de subsistência das populações, sem desconsiderar os riscos e ameaças para o meio ambiente e para os seres humanos.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2017v10n1.p97-107

Direitos autorais 2017 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.