EDUCAÇÃO E RELAÇÕES RACIAIS NA TESSITURA DAS MEMÓRIAS E NARRAÇÕES AMAPAENSES: CONTRIBUIÇÕES NOS DEZ ANOS DO PPGMDR/UNIFAP

Eugenia da Luz Silva Foster

Resumo


Este texto pretende fazer uma breve incursão sobre as contribuições do tema de pesquisa Educação, Relações Étnico-Raciais e Interculturais na tessitura dos dez anos do Programa de Pós-Graduação Mestrado em Desenvolvimento Regional da UNIFAP- PPGMDR, no momento em que se acirram os debates sobre a premência de repensarmos a escola e a universidade, urgência em recriá-las, pluralizá-las, desatrelando-as das amarras históricas que as têm caracterizado como homogeneizadoras, racistas e excludentes. As ideias aqui tecidas são resultados de algumas reflexões que venho realizando juntamente com meus orientandos durante dez anos em que tenho atuado na graduação e na pós-graduação. O artigo procura, inicialmente, apresentar alguns aspectos da minha trajetória no PPGMDR, desde o ano de 2006, buscando refazer um pouco dessa memória. Em seguida procuro fornecer algumas evidências empíricas e teóricas da nossa efetiva participação no Programa, de modo a colaborar na construção de um Mestrado em Desenvolvimento Regional que contemple a discussão da diversidade e das diferenças étnicas, raciais e interculturais. Em seguida procuro fazer uma breve análise da questão racial no Brasil tecendo algumas considerações sobre a questão racial no Amapá, em seus entrelaces com as possíveis contribuições trazidas pelas dissertações defendidas no âmbito do Programa e sob nossa orientação. Por fim, avalio algumas dimensões dessa participação, aquilatando seus avanços, dificuldades e as possibilidades que se abrem para a consolidação dessa linha dentro do PPGMDR e da Pós-Graduação da UNFAP como um todo

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2016v9n3.p173-195

Direitos autorais 2016 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.