SEVERIANO PORTO: LIÇÕES PARA AS CIDADES AMAZÔNICAS

Marcos Paulo Cereto

Resumo


Este ensaio é um recorte da pesquisa “Severiano Porto e a Arquitetura Moderna na Amazônia” e algumas reflexões sobre a conferência ministrada no I Congresso de Arquitetura e Urbanismo no Meio do Mundo, realizado em setembro de 2015 em Macapá. Destaca os precedentes modernos na construção do pensamento do arquiteto  Severiano Porto. Em 36 anos de atividades na Amazônia, Severiano Porto realizou mais de 300 projetos e foi premiado diversas vezes pelo Instituto de Arquitetos do Brasil, nas décadas de 70 e 80. A visão particular da sua obra com o diálogo desejado entre a universalidade e a cultura local representou um caminho possível para as cidades amazônicas. Permite refletir o papel do arquiteto na Modernidade Amazônica e a sua contribuição para a qualificação da arquitetura produzida na atualidade. Navegando pela a permanência e o transitório, entre o universal e o regional, Severiano Porto é atemporal e merece a reverência como um importante arquiteto moderno na história da arquitetura brasileira

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2016v9n1.p193-208

Direitos autorais 2016 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.