POLÍTICA AMBIENTAL: A NEGLIGÊNCIA DO URBANO NA AMAZÔNIA

Marco Antonio Chagas, Jennyfer Sabriny Araujo Santos, Edilene Lira da Silva

Resumo


A Amazônia abriga 25 milhões de habitantes vivendo em meio a uma floresta preservada pela política ambiental hegemônica que incide sobre a região. A urbanização da Amazônia é um fenômeno das últimas três décadas, com casos de estados que atingem 99,3% da população concentrada em núcleos urbanos, como o Amapá. Tal fenômeno tem impactado a condição de vida nas cidades, sobretudo na capital do estado, Macapá, onde praticamente não existe cobertura de rede de esgotamento sanitário, além de apresentar baixos percentuais de acesso à água tratada e de manejo de resíduos sólidos. Macapá é a porta de entrada de um dos maiores maciços florestais preservados do planeta. A conexão entre a política ambiental e a politica urbana é um tema que tem pautado debates na busca de elementos teóricos que possam instruir a formulação de política ambiental integrada às questões urbanas. O presente artigo traz contribuições a esse debate, sustentando que a política urbana foi negligenciada pelos governos, deixando um campo de dúvidas e incertezas sobre a relação de integração e de benefício mútuo entre a condição de vida urbana e a preservação da floresta

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/pracs.2016v9n1.p127-136

Direitos autorais 2016 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.