A imagética do indígena do século XIX por Spix e Martius

Helder Fabricio Brito Ribeiro, Vânia Torres Costa

Resumo


O presente artigo faz uma reflexão sobre a imagem do indígena produzida a partir das narrativas dos viajantes que percorreram a Amazônia no século XIX, especialmente as ilustrações resultantes da interação com os viajantes Johann Baptist von Spix e Carl Friedrich Philipp von Martius. O estudo analisa a imagem como discurso produtor de sentidos a partir de autores estrangeiros, com o intuito de problematizar modos de dizer sobre os sujeitos locais, sua cultura, seus hábitos e seus costumes. As leituras das imagens têm como base as teorias de Martine Joly (2013) que nos permitem observar as imagens como signos que classificam os sujeitos como exemplares raros, estranhos, descontextualizados de suas culturas.


Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.