A MORADIA COMO FATOR DE PROMOÇÃO DO DIREITO À SAÚDE DE MORADORES DAS MARGENS DOS IGARAPÉS NA CIDADE DE MANAUS

Paulo Sérgio Lima dos Santos, Ana Carla Pinheiro Freitas

Resumo


A crise econômica observada no Brasil nos últimos anos causada pela urbanização desenfreada e pelo surgimento da zona franca de Manaus teve importantes consequências sociais, como o aumento da precariedade do emprego, a queda na renda, aumento dos níveis de pobreza, entre outros. Essa situação levou muitas famílias manauaras a uma maior vulnerabilidade social ou à redução de recursos econômicos e sociais para enfrentar com sucesso situações adversas. Como resultado da maior vulnerabilidade social, a moradia tornou-se um ativo ameaçado pelo ambiente econômico e social. O estudo parte da observação in locu de zonas de risco caracterizadas pela proximidade com os igarapés de Manaus, em relação às condições de saúde da população que ali vive e sua relação com a moradia, ambos - saúde e moradia - direitos inalienáveis garantidos pela Constituição Federal de 1988. A importância do estudo reside na necessidade de esclarecer pontos cruciais relacionados às condições de vida de quem vive às margens de igarapés, para demonstrar a situação de emergência habitacional em que os moradores estão inseridos.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 Planeta Amazônia: Revista Internacional de Direito Ambiental e Políticas Públicas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.