Políticas de Tradução e Interpretação no Contexto Indígena: estudo de caso em uma escola guarani

Beatriz de Oliveira

Resumo


Este trabalho investiga o caso de uma escola indígena da etnia Guarani Mbya, situada no litoral catarinense, que, em vista da falta de políticas no âmbito do Estado, tem promovido suas próprias políticas linguísticas internas – ou, como temos considerado, políticas de tradução –, as quais estão baseadas nas crenças sobre tradução da própria comunidade escolar. O contexto de pesquisa, portanto, envolve a referida escola indígena e seu quadro de funcionários, formado majoritariamente por professores não indígenas e que, em vista disso, dispõe de intérpretes que acompanham as aulas e fazem a mediação entre os professores não indígenas e os estudantes indígenas. Os dados foram gerados por meio de observação participante e de entrevistas com membros da comunidade escolar. Dentre os resultados desta pesquisa, contatou-se que em se tratando da esfera estatal as políticas linguísticas para promoção do multilinguismo são falhas ao não considerar as políticas de tradução das línguas, ao passo que, por iniciativa, da própria comunidade linguística, existe uma demanda que favorece a promoção dessas políticas no domínio local.

Palavras-chave


Políticas Linguísticas; Políticas de Tradução e Interpretação; Escola Indígena; Intérpretes Indígenas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/rbli.2020v3n2.p11-27

Direitos autorais 2021 Revista Brasileira de Línguas Indígenas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.