Ensino de Português Brasileiro na Escola Indígena por Professores não-indígenas: uma questão de interculturalidade, de pragmática

Antonio Almir Silva Gomes

Resumo


As populações indígenas brasileiras têm assumido cada vez mais o protagonismo de suas histórias também relacionadas à Educação Escolar Indígena (EEI), inclusive no que se refere à presença em seu interior do professor indígena. Em relação ao ensino de Português Brasileiro (como disciplina), contudo, embora nos ressintamos da ausência de dados oficiais robustos, sabemos da presença em número considerável de professores não-indígenas executando essa disciplina. O presente artigo volta-se para essa realidade ao discutir o perfil docente deste professor. Argumentamos em favor de que o ato de ensinar Português Brasileiro na escola indígena pelo professor não-indígena implica uma série de ações que o antecedem. O argumento em questão é sustentado ao longo do artigo por discussões advindas da interculturalidade e da pragmática. Como resultado, pretende-se a um professor ciente de que sua prática docente envolve muito além dos conteúdos.

Palavras-chave


Ensino; Português Brasileiro; Professor; Interculturalidade; Pragmática.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Línguas Indígenas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.