A Língua dos Karuãnas

Erdeson dos Santos Vilhena

Resumo


Este estudo tem como objetivo mostrar alguns aspectos do pensamento indígena a partir da interpretação intercultural do conhecimento sobre a poética indígena (sobre o “fazer bonito”). Nesse sentido, utilizaremos caminhos diferentes para explorarmos a afirmação de que a formalidade, no sentido adotado neste trabalho, está muito ligada às línguas dos karuãna. Tentaremos explicar alguns aspectos da arte verbal Karipuna através do pota do Redemoinho. Para isso, fizemos uma tradução literal de cada uma das palavras. É importante dizer que os potas, em geral, são executados em Galibi Antigo (Kalinã, em outro estágio diacrônico), e misturam palavras de outras línguas. Em seguida, partimos para uma tradução simbólica do pota, onde buscamos fazer a relação entre os personagens e o contexto de uso de cada um dos pota. Outras questões mais gerais mais profundas são desenvolvidas com o pajé, o Senhor Martinho Júnior Damasceno, de 33 anos.

Palavras-chave


Karipuna. Pota. Rezas. Línguas Indígenas do Amapá.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/rbli.2018v1n2.p36-48

Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Línguas Indígenas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.