Neologismo em Paresi-Haliti

Izaira de Oliveira Costa, Ana Paula Barros Brandão

Resumo


O artigo apresenta uma descrição e análise do processo de formação de neologismos na língua Paresi-Haliti através de pesquisa bibliográfica, utilizando-se os trabalhos de Rowan (2001); Silva (2013); Brandão (2014) e Brandão (2016). Na língua Paresi ainda não há trabalhos que tenham como foco o fenômeno neológico. Com base em Alves (1999), Manzollilo (2001) e Carvalho (1989), analisamos os neologismos em Paresi considerados como palavras novas que resultam da necessidade de nomear termos vindos do português. Na língua Paresi, o neologismo formal destaca-se como o mais produtivo e é formado pelos seguintes processos: derivação com classificadores (como em txinitse ‘gato’, txini ‘onça’ e -tse ‘classificador para pequeno’) e com o nominalizador instrumental -kala (a exemplo da palavra iraikalati ‘telefone’, irai ‘falar’ e -kala ‘nominalizador de instrumento’); e composição com dois nomes (como em zotsemili ‘lente de contato’, zotse ‘olho’ e mili ‘pele’). Este trabalho visa contribuir com a valorização, fortalecimento e revitalização da língua Paresi-Haliti.

Palavras-chave


Mudança linguística. Neologismo. Paresi-Haliti.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2020 Revista Brasileira de Línguas Indígenas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.