De 'falecido' a 'coitado': a expressão de pena, dó, solidariedade e empatia em Apurinã

Laíse Maciel Barros, Sidi Facundes

Resumo


As línguas do mundo comumente possuem formas lexicais ou elementos morfológicos que expressam as noções de mortes e/ou perdas, acontecimentos, em geral, carregados de emoções. Neste artigo demonstraremos o que acontece quando um morfema que indica a noção de ‘finado’ é usado também com outros significados na língua Apurinã. Mostraremos que a marca morfológica =nhi é usada para expressar noções como falecido, sofredor de uma ação e sentimentos de solidariedade do locutor. Diante disso, propomos uma análise que unifica esses significados a partir de sua função pragmática principal. Os usos de =nhi estão agregados a expressões nominais motivados por uma natureza semântico-pragmática que apresenta consequências também para a marcação morfossintática do alinhamento dos argumentos verbais. Para se descrever os fatos relevantes sobre os usos do =nhi, mostraremos suas diferentes ocorrências na estrutura das palavras em Apurinã, assim como, os variados usos e funções relacionadas a este morfema. A língua indígena Apurinã (Aruák) é falada pelo povo que possui e mesma denominação e reside no sudeste do estado do Amazonas. Este estudo é de cunho tipológico-funcional, e envolve aspectos semânticos, pragmáticos e morfossintáticos.


Palavras-chave


Apurinã; Aruák; Finado; Empatia

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/rbli.2018v1n1.p47-59

Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Línguas Indígenas

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.