Hércules e os vestígios da prudência antiga na Ulisseia (1636), de Gabriel Pereira de Castro

Cleber Vinicius do Amaral Felipe

Resumo


Pretende-se analisar as escolhas efetuadas por Gabriel Pereira de Castro no poema Ulisseia ou Lisboa Edificada (1636) quanto ao título, proposição e invocação, além de compreender a disposição do poema e as figuras de elocução mobilizadas na descrição de Hércules, guardião das colunas que ele edificou no estreito de Gibraltar. Nosso intuito é avaliar a maneira como o poeta representou a superação da prudentia antiga, caracterizada pelo autocontrole e pela contenção, e propôs uma virtù ajustada ao ímpeto expansionista e/ou centrífugo que orientou as grandes navegações.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2021 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.