A construção das figuras femininas em A sogra, de Terêncio: silêncios e esteriótipos

Sula Andressa Engelmann

Resumo


Este artigo tem coo objetivo analisar a construção das figuras femininas na comédia A Sogra, de Terêncio, de modo a investigar o papel desempenhado pelas mulheres, o silêncio como marca das relações de poder entre homens e mulheres, a incorporação de valores sociais na caracterização estereotipada das personagens femininas e a desconstrução de estereótipos com finalidade crítica. Parte-se da premissa de que Terêncio, ao jogar com as normas que definem o feminino, elabora uma análise apurada dos valores da sociedade romana. O estudo justifica-se pela abertura no campo de significação da obra, possibilitando uma análise das lacunas do dizível, do silenciamento das figuras femininas, bem como pela construção aprimorada das personagens. Nesse sentido, busca-se compreender o papel da mulher na sociedade grega e romana em comparação ao papel desempenhado pelas mulheres na peça, para com isso, analisar a caracterização das figuras femininas mediante a contrução de silêncios e de estereótipos. A análise pauta-se nos estudos de Margot Berthold (2001), Francisco de Oliveira (2006), Antonio Melo (2009), Aline Bragion (2016), Eni Orlandi (2007), dentre outros. A Sogra, de Terêncio, detaca-se pela revalorização da mulher, pela desconstrução da imagem negativa construída sobre sua figura e pela crítica a misoginia.


Texto completo:

PDF PORTUGUÊS


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2022v12n2.p%25p

Direitos autorais 2022 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.