A ficção em Nove Noites

Daniela Silva de Freitas

Resumo


Vivemos hoje um boom de livros sobre a memória, seja ela pública ou privada: autobiografias, biografias, metaficções historiográficas. É neste contexto histórico-cultural que se insere o romance que o presente artigo se propõe a analisar. Nove Noites, de Bernardo Carvalho, publicado em 2002, parece ser parte de uma busca do autor pela reafirmação do valor da ficção. Apropriando-se, de maneira vertiginosa, de formas literárias que se articulam a partir de um limite mais próximo da realidade – da biografia, da autobiografia e da metaficção historiográfica –, o romance emprega a linguagem e as estratégias destas formas literárias de modo a fazer com que o pacto com a ficção sempre prevaleça sobre o pacto com a realidade. Este artigo tenta descrever como esse processo acontece no romance.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.