ESTILO, LINGUAGEM E ALEGORIA EM NOCTURNO DE CHILE DE ROBERTO BOLAÑO.

Sylvia Helena de Carvalho Arcuri

Resumo


Este artigo tem como objetivo mostrar de que modo o estilo, a linguagem e a alegoria podem ser utilizados para dar visibilidade a ruína, a derrota, a catástrofe e ao horror dentro da obra literária Nocturno de Chile, de Roberto Bolaño.  O autor lança mão da alegoria e de outros recursos linguísticos para compor sua narração, criando assim, um espaço único e lúdico onde o leitor pode detectar a proposta do autor: que a sociedade contemporânea merece um inventário leve diante de fatos carregados de sombras, fantasmas e derrotas. Para a análise pretendida foram utilizados, como suporte teórico, textos de José Luís Fiore, Robert Kurz, Márcio Seligmann-Silva e Idelber Avelar.


 

Palavras-chave: estilo, linguagem, alegoria, sociedade e catástrofe.


Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2013 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.