Configuração da subjetividade lírica em As Enfibraturas do Ipiranga

Luana Uchôa Torres

Resumo


Este estudo discute sobre como se configura a subjetividade lírica em “As Enfibraturas do Ipiranga”, poema que encerra o livro Pauliceia Desvairada (1922) do poeta Mário de Andrade. Entendemos que as características configuradas nesse poema, tais como a dubiedade de sujeito empírico e sujeito lírico; a ficcionalização do sujeito pelo uso de máscaras; a influência dos conhecimentos musicais e da erudição do poeta, e o diálogo com a tradição literária, resumem as características do livro como um todo. Nesse sentido, investigamos como o poeta utilizou-se desses aspectos na composição do poema em questão. Para o desenvolvimento da discussão, pautamo-nos, principalmente, nos estudos de Dominique Combe (2009/2010), Benedito Nunes (1984) e João Luiz Lafetá (2004).


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n4.p203-211

Direitos autorais 2019 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.