Narrativas que acompanham a possessão dionisíaca na tragédia As bacantes, de Eurípides

Orlando Luiz de Araújo, Pedro Leno de Jesús da Silva

Resumo


Este artigo discutirá, a partir da tragédia grega de Eurípides, As Bacantes, a relação que se estabelece, entre o humano e o divino, focalizando, especiifcamente, a noção de loucura humana, quando se coloca face ao divino. Assim, o intuito é buscar, a partir de narrativas feitas por personagens, compreender o papel dessas narrativas incorporadas às ações dramatizadas e sua relação com a loucura das  bacantes tebanas, bem como a loucura que aflige Penteu, comparando-as com o comportamento do coro das bacantes lídias. Além disso, a pesquisa enfoca a relação do comportamento insano com os elementos rituais que constituem a religião dionisíaca apresentada na peça, além de destacar a própria figura de Dioniso, uma vez que a loucura as põe em situação de estranhamento com valores opostos entre si, como a noção de civilidade e selvageria, humanidade e divindade. Como suporte teórico, para balizar a pesquisa, utilizamos categorias da Narratologia que nos permitem melhor entender como essas se produzem, no drama euripidiano, e qual a natureza da loucura.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n3.p117-127

Direitos autorais 2019 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.