A poética mística de Adélia Prado

Silvana Athayde Pinheiro

Resumo


Este artigo reflete sobre a obra poética de Adélia Prado e suas articulações com alguns aspectos da espiritualidade cristã. Para alcançar este objetivo, busca primeiramente estabelecer relações entre sua concepção mística de poesia, com algumas proposições de pensadores da cultura ocidental, especialmente quanto à ideia do Logos: Tomás de Aquino, importante filósofo cristão, e Heráclito, pensador grego, anterior à era cristã. Após identificar essas aproximações filosóficas, a análise recorre a considerações teóricas de Teilhard de Chardin, teólogo católico de meados do século XX, para compreender o significado da noção de alegria, associada à fé cristã e abordada, direta ou indiretamente, em muitos poemas da autora. Além disso, assinala diálogos intertextuais que a obra poética adeliana estabelece com textos bíblicos neo e veterotestamentários. Recorre, ainda, a textos utilizadas por Adélia Prado em seu primeiro livro, Bagagem (1976), que reforçam sua opção pela teologia católica, dialogando especialmente com o pensamento de Francisco de Assis. A partir dessas considerações, o artigo aponta para o fato de que aspectos da religiosidade cristã se tornaram características de algumas expressões da poesia modernista brasileira, de acordo com observações críticas de Augusto Massi (2015).

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n3.p29-39

Direitos autorais 2019 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.