Pés no além, olhar na terra: um estudo em quatro peças vicentinas

Stélio Torquato Lima

Resumo


O dramaturgo português Gil Vicente erigiu sua obra teatral entre dois mundos, o medieval e o renascentista. Essa condição fomentou em muitas de suas peças uma aparente contradição: embora se passando em um cenário post mortem, os enredos se ocupam claramente com questões terrenas. Nessa perspectiva, este trabalho se volta para análise de algumas das formas como essa aparente contradição se evidencia em quatro autos vicentinos, cujas datas de criação estão bastante aproximadas (entre 1517 e 1519): o Auto da Alma e as peças que compõem a trilogia das barcas (o Auto da Barca do Inferno, o Auto da Barca do Purgatório e o Auto da Barca da Glória).

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.