A REPRESENTAÇÃO DO CANGAÇO EM JOSÉ LINS DO REGO

Netanias Mateus de Souza Castro

Resumo


José Lins do Rego integra um projeto estético-literário denominado Romance de 30, cujas atenções voltam-se para a construção de uma literatura que conte o Brasil a partir do elemento regional. Transitando entre a zona açucareira e os sertões paraibanos, a obra do escritor é repleta de diversas problemáticas sociais ligadas ao Nordeste, como o fenômeno de banditismo rural denominado cangaço, presente em alguns momentos de Lins do Rego. Partindo disso, procura-se, aqui, estudar a(s) representação(ões) do cangaço na obra reguiana, tratando o acontecimento histórico como elemento estético da obra em questão. Os três romances estudados são Menino de Engenho, Fogo Morto e Cangaceiros, havendo entre cada um o distanciamento temporal de pelo menos uma década. Ao final desta leitura, é possível perceber que o cangaço enquanto tema dos romances do paraibano é progressivo, ganhando espaço dentro dos enredos; não se podendo esquecer que, enquanto aspecto estético, dialoga intimamente com a estrutura das narrativas.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n1.p465-482

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.