LICENCIAMENTO DE DUPLOS SUJEITOS EM VARIEDADES DO PORTUGUÊS: PESSOA, DEFINITUDE E ESTRUTURA DE TRAÇOS

Claudia Roberta Tavares Silva, Danniel da Silva Carvalho, Fernanda Maciel Ziober

Resumo


Este artigo, inserido no âmbito da sintaxe comparativa, estabelece uma comparação entre variedades do português, a saber: o português europeu (PE), o português brasileiro (PB), o português de Moçambique (PM), de Angola (PA), de Guiné-Bissau (PGB), de São Tomé e Príncipe (PST) e de Cabo Verde (PCV), centrando a atenção no licenciamento de duplos sujeitos (DSs). Para tanto, o corpus da pesquisa constitui-se de contextos declarativos finitos extraídos de entrevistas informais. Estudos têm revelado que em PB predominam DSs com o traço de 3ª pessoa, ao contrário de outras línguas, como é o caso do crioulo caboverdiano e do Santome cuja predominância é da 1ª pessoa do singular. Visando estabelecer o estudo interlinguístico proposto, abordamos os traços de pessoa e de definitude e propomos uma reinterpretação de uma geometria de traços que culmina em uma hierarquia interna aos pronomes relevante para sua realização morfológica e para a sintaxe. Com base nesse modelo, propomos a inclusão do traço pessoa (a saber, [π]) considerado empiricamente necessário, o que implica considerarmos de que esse traço é inerente ao pronome e não ao verbo. Retomando também a proposta de composição de traços e observando os traços relevantes para a valoração de pessoa, levantamos como hipótese que entre o PB e as demais variedades do português, diferentes subespecificações de traços de pessoa estão envolvidas nas estruturas de DSs entendidas como estruturas tópicas que possuem um pronome resumptivo na posição do sujeito movido.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2017v7n2.p91-116

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.