DA POÉTICA DA JANELA AO OLHO DA RUA: A FORMAÇÃO DA NARRATIVA JORNALÍSTICA

Jeana Laura da Cunha Santos

Resumo


Este ensaio, dividido em duas partes, procura elucidar algumas transformações na maneira de olhar para os acontecimentos da cidade e que, consequentemente, traria modificações na escritura que se processaria sobre tais eventos. Para tanto, utiliza a janela como metáfora do olho que enxerga de uma perspectiva imóvel e a caminhada pela cidade como metáfora do novo texto caleidoscópico que passaria a circular no veículo móvel do jornal: a crônica. Parte-se da ideia de que o primeiro texto representa o escritor confinado em seu gabinete e o segundo o surgimento do flâneur que mergulha na cidade correndo riscos. Tal tipo, descrito por Walter Benjamin no contexto parisiense e por João do Rio no Brasil do começo do século XX, seria, no entendimento da autora, a prefiguração do cronista e depois do repórter das massas.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n1.p131-143

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.