DA BELEZA À PERDIÇÃO: A NUDEZ FEMININA, O EROTISMO E O MAL EM CARMEM DE PROSPER MÉRIMÉE A VICENTE ARANDA

Sueleny Ribeiro Carvalho

Resumo


Este artigo pretende verificar a representação da mulher como objeto de voyeurismo e fetichismo através da exposição da nudez no filme Carmem de Vicente Aranda e a forma de representação da personagem na novela homônima de Prosper Mérimée, e o citado filme. Para tanto, propomos, em nossa análise, o entrelaçamento teórico entre as questões do erotismo – sexualidade e identidade – e gênero. Em se tratando das representações de Carmem, tanto no texto literário quanto no cinema, o que prevalece são as representações da mulher demônio em oposição à mulher santa. Acreditamos que essa forma de representação que coloca a personagem entre os sentimentos masculinos de atração e repulsa, é resultado da própria idealização masculina a respeito da mulher, fruto do discurso dominante sobre a mulher e o erotismo que culmina no processo de construção dos estereótipos femininos, construído e fixado ao longo da história da civilização ocidental. Nesse sentido, buscaremos fundamentar nossa pesquisa nos estudo sobre cinema, identidade e erotismo, fundamentados por teóricos(as) e estudiosos(as) como Anne Kapla, Flores Nogueira Diniz, Renato Cunha, Judith Butler, Otavio Paz, Georges Bataille, dentre outros. 


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n1.p497-517

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.