O DISCURSO JORNALÍSTICO E AS FACES DO FATO EM O MEZ DA GRIPPE DE VALÊNCIO XAVIER

Evanir Pavloski

Resumo


O objetivo do presente artigo é analisar as múltiplas visões interpretativas de um momento histórico que se entrelaçam na novela O mez da grippe de Valêncio Xavier, tendo, como foco principal, a cobertura jornalística da epidemia de gripe espanhola de 1918 na capital paranaense. Para tanto, serão tomadas como corpus de análise as notícias de dois periódicos da época que, inseridas na obra de Xavier de forma contrastiva, demonstram a relevância dos planos de expressão e de conteúdo para a concretização discursiva dos textos. Além disso, com base nos estudos sobre as conflituosas relações entre a historiografia e outros gêneros de registro histórico, como a literatura e o próprio jornalismo, pretendemos demonstrar a influência de aspectos socioculturais nessas práticas discursivas, desmitificando ideais tradicionais de representação do real como espelhamento, imparcialidade e objetividade. Finalmente, argumentaremos que a discussão sobre os limites dos elementos subjetivos e objetivos no discurso jornalístico, ao invés de minorar sua importância, valoriza-o como agente ativo no processo de construção e de reconstrução da História.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n1.p373-397

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.