NARRATIVAS JORNALÍSTICO-LITERÁRIAS E VISIBILIDADE

Daniela Werneck Ladeira Réche

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar como os testemunhos das vítimas do genocídio em Ruanda e na Guerra de Albergues, na África do Sul, no pré-fim do apartheid, as ajudaram a escapar da dupla invisibilidade a que foram submetidas: porque a história africana tem sido negligenciada pelo Ocidente e porque tornaram-se fantasmas em suas próprias vidas, uma vez que atravessados por um passado de dor extrema. Para isso, são discutidos dois livros escritos por jornalistas: Gostaríamos de informá-lo que amanhã seremos mortos com nossas famílias: Histórias de Ruanda, de Philip Gourevitch, e O clube do bangue-bangue: Instantâneos de uma guerra oculta, de Greg Marinovich e João Silva. Embora elas tenham sido construídas a partir do testemunho indireto, no qual as vivências da violência são mediadas pela voz dos narradores, sustenta-se que essas vítimas foram reconhecidas nos relatos ora analisados como sujeitos. Suas vozes, silenciadas pelo trauma e pelo relato oficial, foram ouvidas pelos jornalistas, tornando possível a sobrevivência e permanência na história. 


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2018v8n1.p315-343

Direitos autorais 2018 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.