CHAPEUZINHO VERMELHO NO DIVÃ

Ivan Vale de Sousa

Resumo


É inegável que os contos de fadas compõem parte da infância das crianças e que a arte de contar histórias lhes atrai e traz algum tipo de ensinamento, além disso, contribuem com a formação lúdica infantil e possibilita a ampliação do processo leitor. Nesse sentido, este trabalho objetiva evidenciar de forma sucinta as instâncias da psique humana na concepção da criança, discutir sobre a importância dos contos de fadas na formação leitora na infância, refletir à luz da psicanálise as contribuições que essas histórias conferem ao desenvolvimento infantil, elucidar as semelhanças e as diferenças encontradas no conto Chapeuzinho Vermelho, de Charles Perrault, traduzido e adaptado por Monteiro Lobato (2002) e Walcyr Carrasco (2009), realizando uma comparação entre as abordagens adaptadas por Lobato e Carrasco, além de demonstrar de que forma a psicanálise coopera com o processo de compreensão do professor e, consequentemente, com o desenvolvimento emocional da criança. A essência deste trabalho é de natureza bibliográfico-analítica e reflexiva tomando por base duas versões de uma mesma narrativa. Assim, espera-se que as discussões evidenciadas nesta produção possam subsidiar a realização do trabalho docente à luz da psicanálise no contexto escolar.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2016v6n1.p418-435

Direitos autorais 2016 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.