CONEXÕES ENTRE A CONSTITUIÇÃO DA MEMÓRIA INDIVIDUAL E OS VESTÍGIOS AUTOBIOGRÁFICOS NA PROSA DE AUGUSTO FREDERICO SCHMIDT

Paulo Caldas Neto

Resumo


Estudar um escritor de nossa literatura sem muitas fontes bibliográficas, especialmente a sua prosa memorialística, não é tarefa fácil. A proposta aqui concentra seus argumentos em uma finalidade: a inter-relação existente entre os aspectos da memória do narrador dos livros As florestas e O Galo Branco, exemplos de livros de recordações, em que o autor se confunde com um narrador que parece ter vivido integralmente o que narra, e outros gêneros (a biografia, a autobiografia, o diário etc.). Uma diferença entre eles é necessária, como também a construção desse discurso memorialístico do eu enunciador do texto e a do discurso histórico. Até que ponto se tem uma prosa voltada à problematização da própria arte e do narrador e uma prosa que visa mostrar uma outra face de um tempo histórico já bastante debatido nos documentos ou nos estudos da área da Ciência Histórica. É a partir disso que entra em ação a Historiografia enquanto método analítico, o qual nos faz repensar a História e de que forma a Literatura se utilizou desta para seus objetivos. Augusto Frederico Schmidt é autor da geração de 20 e 30 da História da Literatura Brasileira que talvez possa nos dar as respostas.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/letras.2016v6n1.p311-334

Direitos autorais 2016 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.