O ato de criação da escrita segundo Clarice Lispector: O escrever deságua na insuficiência da linguagem

Anderson Pires Bitencourt

Resumo


Este trabalho pretende dissertar sobre a concepção de Clarice Lispector referente ao ato de criação da escrita, observando que o escrever vai além da linguagem apreendida pelas palavras, pois estas já estão desgastadas. Assim, há uma diluição da linguagem, na qual os sentidos podem se manifestar pelo não-dito, pelo silêncio. Embora o ponto de vista de Clarice Lispector, referente ao ato de criação da escrita, seja verificado em praticamente todos os seus escritos, foram analisadas, neste trabalho, as impressões da escritora detectadas no livro Água Viva, publicado pela primeira vez em 1973. O embasamento teórico e a posterior análise contêm estudos de especialistas em Clarice Lispector e na Análise do discurso de linha francesa. Permitindo um maior aprofundamento na questão do ato criador, da linguagem e do discurso.

 

 

PALAVRAS-CHAVE: Leitura. Escrita. Linguagem. Silêncio. Discurso.


Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2012 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.