A FANTÁSTICA FÁBRICA FICCIONAL: A TELENOVELA ENQUANTO GÊNERO DE REPRESENTAÇÃO NACIONAL

Rondinele Aparecido Ribeiro

Resumo


Aclamada pela crítica como uma das invenções mais importantes do século XX, a televisão, implantada no Brasil em 1950 por Francisco de Assis Chateaubriand, redimensionou a promoção de entretenimento para a sociedade. Roger Silverstone (2002) postula que a sociedade experimentou um estágio de extrema dependência de mídias para fins de entretenimento e informação. Pode-se afirmar que seu produto mais promissor, a telenovela, cumpre uma função primordial nesse processo. De início, tal produto ficcional foi fruto de sérias críticas que lhe creditaram uma função alienadora, no entanto, nos últimos 40 anos, o gênero ganhou reconhecimento como produto artístico e cultural, tornando-se uma narrativa acerca do país. Nesse contexto, faz-se necessário tecer considerações acerca da telenovela enquanto texto midiático que participa do processo de formação de identidades. Assim, o presente artigo contempla a obra audiovisual como um objeto privilegiado acerca da cultura e da sociedade contemporânea brasileira e pretende mostrar como a telenovela enquanto gênero de transmissão cultural abandou seus traços melodramáticos para se constituir  num produto privilegiado da cultura midiática no Brasil.

Palavras-chave: Telenovela. Identidade. Ficcionalidade. Representatividade.


Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2015 Letras Escreve

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.