Dossiê: EnGenderings: Writing Back to Empire

EnGenderings: Writing Back to Empire

EnGenderings: Writing Back to Empire invites essay proposals for a Special Issue of the Journal Letras Escreve

We would like to examine gendered foundational myths of First Contact between Europe and its Others in literary and creative narratives. An enduring colonial and literary myth is that of the “founding mother” of colonized nations who made imperial contact possible. While in postcolonial times, these feminine figures may be reclaimed as national icons, the idea also persists of the woman as a facilitator to the colonizer’s arrival, entrance and dominance of the “discovered” lands. History and Literature are replete with figures such as Iracema from Brazil, Pocahontas from the United States, Malinche from Mexico and Patyeygarang from the Eora Nation in Australia). Triumphalist and masculinist narratives display a marked tension between recuperating these women as foundational to the birth of the postcolonial nation on the one hand, and erasing their contributions, experiences and [perspectives on the other.  This special issue invites scholars to present the story from the other side, with such historical female figures taking their place in the master narrative of European colonialism but with particular emphasis on their role in great world historical achievements or events, adventures and the of development of a nation.

This issue looks forward to receiving articles that challenge, subvert and deconstruct narratives centered in the Imperial thinking whether by means of the analysis of literary works which have already done so or through the critical reading of works based on the perspective of Western culture.

 

Convidamos à submissão de artigos que analisem os mitos fundadores gendrados que retomam ou representam o primeiro contato entre Europa e seus “Outros” em textos literários e não literários.

Um dos mitos coloniais mais persistentes é o das “mães fundadoras” das nações colonizadas, as quais teriam tornado possível o contato entre Império e Colônia. Embora em tempos pós-coloniais, essas figuras femininas sejam muitas vezes reivindicadas como ícones nacionais, também persiste a ideia da mulher como uma facilitadora da chegada, entrada e dominação do colonizador nas terras descobertas. A História e a Literatura são repletas dessas figuras, por exemplo a Iracema no Brasil, Pocahontas nos Estados Unidos, Malinche no México e Patyeygarang na Nação Eora da Austrália. Narrativas triunfalistas e masculinistas apresentam uma tensão marcada entre recuperar essas mulheres como fundadoras para o nascimento da nação pós-colonial por um lado e, por outro, apagar suas contribuições, experiências e perspectivas.

Diante disso, esse dossiê convida pesquisadores a apresentar a história a partir de outro olhar, com as figuras femininas históricas tomando seu lugar na narrativa do colonialismo europeu, com destaque no seu papel em grandes conquistas, eventos, aventuras históricas e no desenvolvimento da nação. Esperamos contribuições que desafiem, subvertam e desconstruam narrativas centradas no pensamento imperialista seja por meio da análise de trabalhos literários que já tenham partido desse outro olhar, ou a partir de leituras críticas de textos que se baseiam na perspectiva da cultura ocidental.

Organizadoras:

Profª Drª Juliana Pimenta Attie (UNIFAP)

Profª Drª Mridula Nath Chakraborty (Monash University)

Profª Drª Taís Matheus da Silva (IFSP)

Prazo final para submissão: 30/05/2019