Do biopoder à psicopolítica

Débora Aymoré

Resumo


Nossa condição humana contemporânea está inter-relacionada com o avanço do domínio das aplicações tecnológicas para vários aspectos da vida biológica, existencial e política, levantando uma postura reflexiva diante das tecnologias de informação. Se é verdade que o projeto baconiano estimula, a partir do século XVI, o controle sobre a natureza, a partir dos séculos XVII e XVIII, a Europa testemunhou o nascimento de duas formas de poder moderno: o poder disciplinar e o biopoder. Assim, a estratégia adotada para o exercício do controle sobre os seres humanos assume proporções individuais (corpos individuais) e sociais (espécie) como também as mentes. Na medida em que a imaginação é fonte de exercício de liberdade, mesmo que momentânea entre as subjetividades disciplinadas, as tecnologias de informação representam a capacidade de interferir no nível pré-cognitivo, misturando as fronteiras que representam a modernidade: o corpo e a mente, a razão e a paixão, a liberdade e a responsabilidade. Testemunhamos, especialmente a partir do século XX em diante o surgimento do controle tal como exercido pela psicopolítica.

Palavras-chave


biopoder, psicopolítica, subjetividade.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/if.2019v10n2.p101-111

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Investigação Filosófica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.