O novo materialismo e a crítica da atividade científica de Marx a partir das Teses ad Feuerbach

Douglas Rafael Dias Martins

Resumo


O presente artigo visa tratar do “novo materialismo” na filosofia de Karl Marx após 1845, com a produção das chamadas Teses ad Feuerbach. Nesse sentido, buscaremos expor essa nova concepção filosófica através da reformulação da relação sujeito-objeto levada a cabo por Marx, que levou o autor a uma noção crítica de ciência, distinta daquela que vigorava no pensamento europeu e posteriormente caracterizada como tradicional, bem como da crítica da metafísica da economia política. A partir dessas críticas, a concepção marxiana se apresenta como uma continuação da chamada deutsch Wissenschaft, uma ciência filosófica, influenciada desde Hegel, que agora coloca o modo de produção capitalista como objeto crítico que constitui uma essência histórica específica e que deve ser conhecida enquanto tomada de consciência de si e por si apontando para a necessidade de rompimento com uma atividade científica instrumentalizada pelas necessidades do desenvolvimento das relações de produção e da valorização da riqueza capitalistas. Nesse sentido, a filosofia marxiana, tendo a negatividade como motor da razão, fundamenta uma teoria crítica e revolucionária da sociedade capitalista e reivindica uma práxis emancipadora e emancipada dos interesses e finalidades da produção capitalista estrita.

Palavras-chave


Karl Marx; atividade científica; Teoria crítica

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/if.2019v10n2.p71-83

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Investigação Filosófica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.