Enunciados de identidade envolvendo nomes próprios

Germano Nogueira Prado

Resumo


O presente trabalho pretende discutir a solução de Kripke para o chamado “problema de Frege”, no que concerne a nomes próprios genuínos. Procuraremos mostrar que tal solução não consiste (ou não consiste expressamente) em dizer que espécie de informação nos é dada pelos enunciados de identidade envolvendo nomes de indivíduos – estratégia esta usada por Frege e Searle –, mas sim em estabelecer o caráter a posteriori e ao mesmo tempo necessário de tais enunciados. Tentaremos mostrar ainda que isso não implica que a teoria de Kripke sobre nomes próprios não possa dizer que tipo de informação nos é dada por tais enunciados e que, se ela pretende fazê-lo, talvez ela tenha que conceder que nomes próprios estão ligados a descrições definidas em um nível epistêmico ou, ao menos, em um nível epistêmico-científico – o que, a rigor, em nada afeta a principal tese semântico-metafísica de Kripke a esse respeito: a tese de que nomes próprios são designadores rígidos.

Palavras-chave


nomes próprios, enunciados de identidade, Kripke, descritivismo

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/if.2019v10n1.p101-113

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Investigação Filosófica

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.