Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A missão de Investigação Filosófica é ser um periódico que publique artigos originais de qualidade em filosofia, a fim de aprimorar as investigações acadêmicas na área. O público-alvo de autores e de leitores são os pesquisadores e estudantes na área da filosofia, de qualquer sub-área. Os artigos são avaliados anonimamente por pareceristas do Conselho Editorial ou do Conselho Consultivo, e os pareceres são justificados.

 

Políticas de Seção

Artigos

Política padrão de seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Resenhas críticas ou não críticas de livros, artigos e verbetes. Apreciamos resenhas sistematizadoras.

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Processo duplo cego de avaliação por pares.

 

Periodicidade

A revista é publicada em um volume anual, com dois números, cada um semestralmente publicado.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Ética de Publicação

Investigação Filosófica (UNIFAP) segue as diretrizes do Código de Conduta e Boas Práticas do COPE (Committee on Publication Ethics) e as submissões devem atender a essas diretrizes: para conhecimento do Código consulte o texto original em inglês ou sua tradução para o português.

Ética de Publicação e Boas Práticas

Este periódico tem um compromisso com a ética e a qualidade das publicações. Defendemos um comportamento ético de todas as partes envolvidas na publicação em nosso periódico: autores, Editor e pareceristas. Não aceitamos plágio ou qualquer outro comportamento antiético.

Deveres do Editor:

Decisão de publicação: o Editor é responsável por decidir quais artigos submetidos à revista devem ser publicados. O editor é guiado pelas políticas editoriais da revista e também pelo Conselho Editorial e Pareceristas. Essas políticas devem obedecer às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio. Para tomada de decisões o Editor pode consultar o Conselho Editorial e os Pareceristas.

Transparência e respeito: o Editor deve avaliar os manuscritos submetidos sem levar em conta a raça, sexo, a orientação sexual, a crença religiosa, a origem étnica, a nacionalidade ou a filosofia política dos autores.

Confidencialidade: o Editor e demais membros da Equipe Editorial não devem divulgar qualquer informação sobre um manuscrito submetido, a não ser aos pareceristas e os conselheiros editoriais.

Divulgação e conflitos de interesse: O Editor não deve utilizar materiais inéditos divulgados em um manuscrito submetido em pesquisas próprias sem o consentimento expresso e por escrito do autor. O Editor deve recusar para o processo editorial os manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou (possivelmente) instituições ligadas aos manuscritos.

Envolvimento e cooperação em investigações: o Editor deve tomar medidas necessárias cabíveis quando foram apresentadas reclamações éticas a respeito de um manuscrito submetido ou artigo publicado.

Deveres dos Pareceristas:

Contribuição para as decisões editoriais: a revisão dos pareceristas auxilia o Editor na tomada de decisões editoriais e por meio das comunicações com o autor também pode auxiliar o mesmo na melhora do artigo.

Pontualidade: qualquer avaliador de artigo que não se sinta qualificado para analisar o artigo ou sabe que a sua imediata leitura será impossível deve notificar imediatamente o Editor.

Confidencialidade: os trabalhos recebidos para análise devem ser tratados como documentos confidenciais. Eles não devem ser mostrados ou discutidos com os outros.

Padrões de objetividade: os pareceres devem ser conduzidos de forma objetiva. Os pareceristas devem expressar seus pontos de vista de maneira clara e apoiados em argumentos.

Sobre as fontes: os pareceristas devem identificar trabalhos publicados relevantes que não foram citados pelos autores. O parecerista deve chamar a atenção do Editor sobre qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito em questão e qualquer outro artigo publicado de que tenha conhecimento pessoal.

Divulgação e conflito de interesses: informações privilegiadas ou ideias obtidas pelo parecerista por meio da leitura dos manuscritos devem ser mantidas em sigilo e não devem utilizadas para proveito pessoal. O parecerista não deve avaliar manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.

Deveres dos Autores:

Normas gerais: os autores de trabalhos que se referem a pesquisas originais devem apresentar um relato preciso do trabalho realizado, bem como uma discussão objetiva sobre o seu significado. Dados complementares devem ser representados com precisão no artigo. O documento deve conter detalhes suficientes e referências que permitam que outros possam replicar o trabalho. Declarações fraudulentas ou intencionalmente imprecisas constituem um comportamento antiético e são inaceitáveis.

Originalidade e plágio: os autores devem garantir que as obras são inteiramente originais e se eles utilizam o trabalho e/ou textos dos outros que isso seja devidamente citado. Plágio em todas as suas formas constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Publicação múltipla, redundante e simultânea: um autor não deve publicar manuscritos que descrevam essencialmente a mesma pesquisa em mais de um periódico. Enviar o mesmo manuscrito para mais de uma revista ao mesmo tempo e/ou publicar o mesmo artigo em mais de um periódico constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Sobre as fontes: o trabalho de outros autores deve sempre ser reconhecido. Os autores devem citar as publicações que foram importantes na determinação da natureza do trabalho relatado. As informações obtidas em particular, como em uma conversa, correspondência, ou discussão com terceiros, não devem ser utilizadas ou relatadas sem a permissão explícita por escrito da fonte. As informações obtidas por meio de serviços confidenciais, tais como arbitragem manuscritos ou pedidos de bolsas, não devem ser utilizadas sem a permissão explícita por escrito do autor do trabalho envolvido nestes serviços.

Autoria: a autoria do trabalho deve ser restrita àqueles que fizeram uma contribuição significativa para a concepção, projeto, execução ou interpretação do estudo relatado. Todos aqueles que fizeram contribuições significativas devem ser listados como coautores. Pessoas que participaram em certos aspectos do projeto de pesquisa devem ser listadas como colaboradores. O autor principal deve garantir que todos os coautores apropriados estejam incluídos no artigo. O autor principal também deve certificar-se que todos os coautores viram e aprovaram a versão final do manuscrito e que concordaram com sua submissão para publicação.

Divulgação e conflitos de interesses: todos os autores devem divulgar no manuscrito qualquer conflito financeiro ou de outra natureza que possa influenciar os resultados ou a interpretação de seu manuscrito. Todas as fontes de apoio financeiro para o projeto devem ser divulgadas.

Erros fundamentais em trabalhos publicados: quando um autor descobre um erro significativo ou imprecisão em seu trabalho publicado é obrigação do autor informar imediatamente o Editor da revista e cooperar para corrigir o artigo.

* Esta declaração se baseia nas recomendações da Elsevier e no Best Practice Guidelines for Journal Editors do Committee on Publication Ethics - COPE.

 

Regimento Interno

Aprovado pelo Conselho Editorial em 31 de outubro de 2012, Reformado pelo Conselho Editorial em 13/02/2019.


CAPITULO I

Das Finalidades

Art. 1º  Publicar textos de qualidade sobre problemas filosóficos.

Parágrafo único  serão aceitos para publicação o seguinte formato de texto: artigo acadêmico original.

Art. 2º  Editar o Periódico semestralmente, sob a responsabilidade do Editor.

Art. 3º  Oferecer acesso livre e imediato ao conteúdo do periódico, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona uma maior propagação do conhecimento.

CAPÍTULO II

Das Normas para Publicação

Art. 4º – Todas as edições publicadas do Periódico devem somente ser constituídas por textos que tenham sido aprovados para publicação através de um processo duplo cego de avaliação aos pares, de acordo com as especificações descritas no capítulo III deste regimento.

Art. 5º – Cada edição de um novo número do Periódico deverá ser constituído por no mínimo 7 (cinco) e no máximo 10 (quinze) artigos originais.

Parágrafo único: caso a demanda de textos mínima para publicação não seja atingida dentro dos prazos estabelecidos de acordo com as exigências do art. 2º, o editor poderá publicar com atraso, contanto que informe a decisão ao corpo editorial antes de publicá-la, com antecedência mínima de 4 (quatro) semanas.

Art. 6º – O conselho editorial do Periódico pode decidir publicar números especiais em datas distintas das datas oficiais de publicação.

Parágrafo único: os volumes especiais poderão conter: produções de grupos de pesquisa ou artigos sobre um mesmo autor, livro, tema ou subárea da filosofia.

CAPÍTULO III

Do Processo de Avaliação Anônima aos Pares

Art. 7º – O texto será anonimizado pelo autor e designado a algum avaliador pelo Editor, que se certificará da concordância entre o texto recebido e a temática do Periódico. Os artigos submetidos serão avaliados a cega por 2 (dois) pareceristas, tanto por pareceristas ad hoc quanto por membros do Conselho Editorial. Os textos submetidos poderão ser aceitos sem ressalvas, condicionalmente com ressalvas ou não ser aceitos. Caso o editor envie texto de sua autoria, será designado a um coordenador editorial tratar de sua avaliação.

§ 1º  Um membro do Conselho Consultivo ou do corpo de avaliadores ad hoc do periódico decidirá pela publicação ou rejeição de submissão sobre a qual não houver consenso entre os pareceristas membros do Conselho Editorial, ou sobre a qual não houver pareceristas disponíveis que sejam membros do Conselho Editorial.

§ 2º  Em caso de haver apenas um parecerista  disponível para o artigo de certa sub-área, é permitido ao editor usar a regra do parecer automático, que consiste em tal parecer determinar automaticamente a aceitação ou rejeição do texto submetido.

§ 3º  É também permitido usar a regra do parecer automático, se o parecer for emitido por membro do Conselho Consultivo, que é constituído de filósofos de reconhecida competência.

CAPÍTULO IV

Da Organização

Art. 8º  O Periódico é constituído por Editor-Chefe, Editores Executivos, Coordenadores Editoriais, Conselho Editorial, Conselho Consultivo e Equipe Editorial. Os Coordenadores Editoriais devem ser membros do Conselho Editorial. O Editor-Chefe deverá ser membro integrante do Conselho Editorial e presidi-lo, tal como também ser professor efetivo da Universidade Federal do Amapá.

Parágrafo único – Em caso de impedimento grave, o Conselho Editorial deverá escolher um de seus integrantes para assumir interinamente a editoria.

Art. 9º  Caso julgue necessário, o Editor poderá contar com o auxílio de um ou mais coordenadores editoriais respeitando um limite máximo de 5 (cinco) coordenadores.

§ 1º  Os coordenadores editoriais, membros do conselho editorial, serão indicados pelo Editor sob a condição de acordo por parte do indicado.

§ 2º  Cabe o editor indicar as edições que serão designadas a respectivos coordenadores editorias, sob a condição de acordo por parte do indicado.

Art. 10º  O Conselho Editorial será constituído por um número mínimo de 5 (cinco) e não há número máximo de sócios efetivos.

Parágrafo único – Os membros do Conselho Editorial serão indicados pelo Editor.

Art. 11º  A Equipe Editorial será formada por tradutores, revisores de texto, desenhista gráfico e demais profissionais necessários para o funcionamento do Periódico.

CAPÍTULO V

Das Atribuições Do Editor

Art. 12º  Administrar a redação do Periódico e fixar, juntamente com o Conselho Editorial, a política editorial.

Art. 13º  Receber, apreciar e coordenar a avaliação dos artigos e decidir quanto à sua publicação.

Art. 14º  Indicar os membros do Conselho Editorial e do Conselho Consultivo.

Art. 15º  Supervisionar o trabalho dos Coordenadores Editoriais.

Art. 16º  Estabelecer o planejamento gráfico do Periódico, auxiliado por um profissional da área.

Art. 17º – Redigir editoriais sobre assuntos de interesse para os leitores.

Art. 18º – Representar o Periódico junto a agências financiadoras e em eventos científicos.

Parágrafo único – Em caso de impedimento, o editor escolherá um membro do Conselho Editorial para tal função.

CAPÍTULO VI

Das Atribuições Do Coordenador Editorial

Art. 19º  Auxiliar o editor na redação das edições do Periódico sob sua coordenação.

Art. 20º  Auxiliar o editor na recepção, apreciação e avaliação dos artigos e decisão quanto a sua publicação.

Art. 21º  Auxiliar o editor a estabelecer o planejamento gráfico do Periódico, auxiliados por um profissional da área.

Art. 22º – Redigir editoriais sobre assuntos de interesse para os leitores.

CAPITULO VII

Das Atribuições Do Conselho Editorial

Art. 23º – É função do Conselho Editorial colaborar com o Editor na consolidação e manutenção do Periódico, trabalhando na sua divulgação e emitindo pareceres técnicos.

Art. 24º – Aos Conselheiros, caso requisitado pelo Editor, cabe proceder à revisão editorial dos artigos encaminhados, informando-o de sua opinião quanto à:

a) relevância

b) propriedade

c) adequação às normas gráficas e editoriais

d) ortografia

e) correção acadêmico-científica

§ 1º  No caso de recomendar à publicação, o parecer deve ser acompanhado de sugestões de modificações, devidamente justificadas.

§ 2º  No caso de rejeição, encaminhar parecer justificado.

Art. 25º – Os artigos para análise pelos Conselheiros devem ser devolvidos ao Editor em prazo nunca superior a 4 (quatro) semanas.

Parágrafo único – O Conselheiro que, por duas vezes, não emitir e enviar o seu parecer sobre artigo que lhe foi confiado, sem justificativa aceitável pelo Editor, poderá ser afastado do corpo editorial.

Art. 26º – Os conselheiros poderão indicar avaliadores para atuarem como pareceristas ad hoc.

CAPÍTULO VIII

Das Atribuições Do Conselho Consultivo

Art. 27º – O Conselho Consultivo é composto de filósofos de reconhecida importância, indicados pelo editor ou pelos coordenadores editoriais. 

Parágrafo único – não há número mínimo ou máximo de conselheiros nesta modalidade. 

Art. 28º – É atribuição do membro do Conselho Consultivo selecionado pelo Editor ou Coordenador Editorial emitir parecer no caso de discordância nas avaliações fornecidas pelos membros do Conselho Editorial de submissões realizadas à Investigação Filosófica e no caso de não haver parecerista membro do Conselho Editorial que seja competente na área do texto submetido. 

Art. 29º – Qualquer membro do Conselho Consultivo pode fornecer conselhos, de ofício ou quando solicitado, ao Editor, aos Coordenadores Editoriais ou aos outros membros do Conselho Editorial. 

CAPÍTULO IX 

Das Normas Aos Autores

Art. 30º – As normas aos autores estarão sempre disponíveis no Periódico.

Art. 31º – As normas poderão ser alteradas por deliberação do Conselho Editorial, sob a coordenação do Editor.

Art. 32º – Os autores só poderão publicar um texto em um mesmo número do Periódico por vez, a não ser em caso de volume especial, determinado pelo Editor.


CAPÍTULO X

Da Cessão Dos Direitos Autorais

Art. 33º  O autor do texto originalmente e voluntariamente publicado no Periódico cede automaticamente os direitos autorais da obra publicada ao Periódico.

Art. 34º  O acesso ao conteúdo será publico, sendo sua citação permitida se e somente se a fonte for referida.

Art. 35º  A utilização comercial das obras é facultada somente aos seus respectivos autores e ao Periódico.

CAPÍTULO XI

Das Normas Aos Avaliadores

Art. 36º – Os avaliadores, sejam eles membros do Conselho ou pareceristas ad hoc, seguirão as normas publicadas no Periódico.

CAPÍTULO XII 

Das Reformas

Art. 37º – O presente regimento só poderá ser modificado por iniciativa de membro do Conselho Editorial. As modificações serão implementadas apenas se aprovadas pela maioria dos votos válidos dos membros do Conselho Editorial.

Art. 38º – A ausência de voto no prazo estabelecido conta como anulação do voto. E o voto anulado não conta como voto válido.

Parágrafo único – O Conselheiro que, por duas vezes, não enviar o seu voto em enquete preparada pelo Periódico, sem justificativa aceitável pelo Editor, poderá ser afastado do Conselho Editorial.

Redigido em 29/09/2009.

Aprovado em 31/10/12.

Reformado em 13/02/2019.