Entre terras, territórios e territorialidades – o povo indígena Anacé e o Complexo Industrial e Portuário do Pecém, Ceará

Luciana Nogueira Nóbrega, Lia Pinheiro Barbosa

Resumo


Em fevereiro de 2018, parte do povo indígena Anacé impactado pelo Complexo Industrial e Portuário do Pecém - CIPP, no Ceará, foi removido do seu território tradicional para a Reserva Indígena Taba dos Anacé, em Caucaia. Tal movimento foi o ápice de um intenso e doloroso processo de imposição e negociação, que se iniciara no final da década de 90, quando os Anacé foram impactados com uma primeira onda de desapropriações para instalação do Porto do Pecém e das primeiras indústrias integrantes do projeto do CIPP. Nesse contexto, a presente pesquisa, em andamento, se insere, visando compreender, por meio de levantamento bibliográfico e documental, como as categorias de terras, tradicionalmente ocupadas ou não, territórios e territorialidades vão se desenhando e conformando realidades concretas, ora para fortalecer a luta dos povos indígenas ora para garantir o avanço do capital sobre esses territórios.


Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2022 FRONTEIRAS & DEBATES

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.