História e memória das greves do magistério público estadual paulista – 1970/1980

Elaine Lourenço

Resumo


As décadas de 1970 e 1980 representam um período de grande expansão do sistema escolar. Em São Paulo, na rede pública estadual, isto não foi diferente: cresceu o número de escolas, assim como cresceu o número de professores e de alunos. Houve também uma crescente desvalorização da profissão e mudanças na identidade docente. Neste cenário ocorrem inúmeras greves de professores, que se aproximam do que foi chamado “novo sindicalismo”. Este é o contexto histórico com o qual o presente texto dialoga, por meio da História Oral, com as memórias de docentes que atuaram no magistério público estadual paulista, à procura de buscar a diversidade de percepções de uma mesma realidade turbulenta. Todos estes elementos interferem na cultura escolar, ao alterar tempo e espaços escolares. Tais relatos expressam diferentes formas de se relacionar com a profissão e suas práticas, ou, em outras palavras, a complexidade do “ser professor”.


Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/fronteiras.2020v7n2.p217-232

Direitos autorais 2021 Fronteiras & Debates

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.