Euclides da Cunha: o sertanejo e a simbologia do poder no Brasil

Ricardo Santos Sousa

Resumo


O presente artigo trata da construção de símbolos nacionais, tomando como princípio que sistemas políticos carecem de sustentação a nível de representação simbólica. Fazemos uma análise da falência dos signos da monarquia brasileira e a ascensão da republica que urgia em construir novos símbolos. Dessa forma os sertanejos ligados ao movimento de Antônio Conselheiro foram elencados nesse imaginário à posição de inimigos da República. O olhar de Euclides da Cunha, embora eivado pelo racialismo científico, resgatou, em alguma medida, a dimensão de humanidade do sertanejo.


Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2020 Fronteiras & Debates

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.