A história cruzada e os limites do comparativismo histórico

Isabela Albuquerque

Resumo


Este artigo tem por objetivo abordar algumas considerações sobre a história comparada enquanto campo historiográfico, desde as contribuições de Marc Bloch na década de vinte do século passado.  Ao analisar a trajetória da história comparada, consideramos as vantagens do método comparativo e a delimitação dos objetos a serem comparados. A partir da década de oitenta do século passado, o comparativismo tradicional que buscava semelhanças e diferenças entre as sociedades dava lugar a uma nova modalidade: as histórias conectadas, que privilegiavam análise dos objetos a partir do intercâmbio e do contato entre as sociedades.A história cruzada representa uma dessas mudanças nos paradigmas sobre o comparativismo histórico. A proposta de Werner e Zimmermann para o cruzamento – de objetos, conceitos, escalas – desafia historiadores a repensar o fazer historiográfico dentro da história comparada, excedendo os antigos limites da disciplina.

Texto completo:

PDF Português


DOI: http://dx.doi.org/10.18468/fronteiras.2018v5n2.p05-15

Direitos autorais 2019 Fronteiras & Debates

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.