Paisagem cultural: nova expansão conceitual do patrimônio

Laércio Gomes Rodrigues

Resumo


Este trabalho pretende discutir o patrimônio com ênfase para a recente incorporação da paisagem cultural como instrumento patrimonial, implementada na década de 1990. A base metodológica deste estudo é a revisão bibliográfica. No primeiro momento, faz-se um breve sobrevoo no surgimento do conceito moderno de patrimônio que aparece, pela primeira vez, na Europa do século XVIII; veremos que o patrimônio enquanto política de preservação inseriu a dimensão cultural para a compreensão dos bens edificados, ampliando seu campo de atuação no século XX. No segundo momento, à luz de documentos internacionais elaborados pela Unesco, evidencia  a consolidação da paisagem cultural como compreensão do patrimônio. A paisagem cultural emerge como esforço para superar o antigo distanciamento entre patrimônio material e imaterial, possibilitando o diálogo relacional entre ambos, além de congregar modos de vida tradicional. Por fim, o autor apresenta dois exemplos da implementação da paisagem cultural no Brasil - um inscritos como patrimônio mundial da Unesco e o outro chancelado a nível nacional.

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2015 Estação Científica (UNIFAP)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.