Avaliação da seca de 2005 na Amazônia: uma análise da calha do rio Solimões

Edivaldo Afonso de Oliveira Serrão, Cleber Assis dos Santos, Aline Maria Meiguins de Lima

Resumo


A Bacia Amazônica, com uma área estimada de 6.110.000 km², sofre influência de diversos sistemas atmosféricos. Estes podem ser agrupados em 3 tipos: convecção diurna resultante do aquecimento da superfície e condições de larga-escala favoráveis; linhas de instabilidade originadas na costa N-NE do litoral do Atlântico; e aglomerados convectivos de meso e larga escala, associados com a penetração de sistemas frontais na região S/SE do Brasil e interagindo com a região Amazônica. A consequência direta destes pode ser observada nas variações de nível d´água verificadas nas bacias hidrográficas componentes. A presente proposta teve por objetivo realizar uma análise espacial da precipitação durante o período chuvoso e menos chuvoso, do ano de 2005, na calha do rio Solimões, marcado por uma das maiores secas na Amazônia, associando aos sistemas atmosféricos atuantes nessa região e causadores desta estiagem severa. Os resultados obtidos ilustram que o médio-baixo curso do rio Solimões, foi o mais afetado no período pela redução da precipitação, com valores próximos a 104 mm período de (julho-dezembro); esta precipitação pode ser vinculada aos fenômenos do ENOS fase positiva e do dipolo do Atlântico positivo, que são fortes moduladores da precipitação na Amazônia

Texto completo:

PDF Português


Direitos autorais 2015 Estação Científica (UNIFAP)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.