CONTRIBUIÇÃO DE FONTES AUTOTRÓFICAS C3 E C4 PARA CHARACIFORMES JUVENIS EM PLANTAS HERBÁCEAS AQUÁTICAS NO RIO SOLIMÕES, AMAZÔNIA CENTRAL, BRASIL

Gilcideya Silva-Prado, Rosseval Galdino Leite, Bruce Rider Forsberg

Resumo


A compreensão dos fatores que controlam a produção de peixes comercialmente importantes na Amazônia é necessária para gerenciar efetivamente os recursos pesqueiros da região. O primeiro passo deste entendimento exige a identificação de plantas que contribuem para o fluxo de energia nas redes alimentares dos peixes. O objetivo deste estudo foi investigar qual grupo de plantas suporta a produção de Characiformes durante a fase juvenil, estágio em que estes peixes habitam um ambiente formado por plantas C3 e C4. Uma análise isotópica de carbono foi conduzida para Characiformes juvenis coletados em plantas herbáceas aquáticas na planície de inundação do rio Solimões. A dieta desses peixes também foi analisada para identificar possíveis elos tróficos. Os resultados indicam que embora as plantas C3 sejam as principais fontes de energia dos juvenis, o estágio juvenil é a fase que as espécies amostradas têm maior contribuição do grupo de plantas C4. A análise da dieta revelou que juvenis de Brycon amazonicus, Mylossoma duriventre e Triportheus angulatus consomem fontes de energia através de invertebrados herbívoros, enquanto Semaprochilodus insignis alimenta-se diretamente através de detritos. A dependência das dietas dos peixes juvenis das plantas C3 e C4 sugere que a manutenção do ambiente das herbáceas aquáticas é extremamente importante para as comunidades de peixes nas várzeas da Amazônia.

Palavras-chave: peixe, isótopos estáveis, teia alimentar, várzea, dieta.

Palavras-chave


peixe; isótopos estáveis; teia alimentar; várzea; dieta



Direitos autorais 2019 Biota Amazônia (Biote Amazonie, Biota Amazonia, Amazonian Biota)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.